Aquário, Solo, Rochas e Ave Granívora – Algo em comum?

O aquário, o solo, as rochas e a galinha têm sido os temas de discussão nas aulas laboratoriais de Ciências Naturais. Procurando estimular a curiosidade e o espirito crítico dos alunos, esta disciplina têm proporcionado atividades em laboratório, conducentes a uma melhor compreensão de conhecimentos e à mobilização destes em situações de vida real.

Recentemente, o laboratório de Ciências Naturais recebeu novos habitantes, peixes Platis (Xiphophorus maculatus) e limpa fundos, do género Otocinclus, que vivem em águas quentes. Durante quinze dias houve necessidade de preparar o ambiente para a receção dos seres vivos. Para tal, procedeu-se à instalação do material necessário, como um aquário, filtro, lâmpada fluorescente, termóstato e termómetro, regulador de luz, indicador de acidez (pH), areão, plantas (Elodea sp.) e água. As espécies de peixes foram escolhidas de modo a serem compatíveis entre si e com o tipo de aquário. A montagem e manutenção deste ambiente aquático tem estado a cargo de alunos do quinto ano que, no âmbito das Ciências Naturais, estudam os fatores ambientais como condicionantes da vida na Terra. Neste âmbito, surgiu também a necessidade de estudar a composição e permeabilidade dos solos, assim como as propriedades das rochas, através de atividades laboratoriais.

Os alunos do sexto ano ao abordarem os sistemas digestivos nos animais tiveram a oportunidade de dissecar o tubo digestivo de uma galinha. Com o bico, as aves granívoras apanham grãos duros e resistentes que passam por uma boca sem dentes…. O que acontece agora aos grãos? Como são digeridos? Os alunos puderam seguir as etapas de digestão do alimento, ao longo do esófago, papo, proventrículo, moela, intestino e cloaca. Foi possível desvendar a função de cada um dos órgãos deste tubo digestivo e relacionar o seu papel com o regime alimentar desta ave.

Comments are closed.
Últimas novidades