Educação Musical

A EDUCAÇÃO MUSICAL

A MÚSICA, dado o seu valor educativo na formação da criança, deve estar presente a partir do nascimento, acompanhando-a durante todo o período do seu desenvolvimento.

A Educação Musical ocupa, no Projecto Educativo da Escola “Ave-Maria”, uma posição de relevo.

O método adoptado na Escola é o Método Willems, criado por EDGAR WILLEMS, pedagogo e musicólogo que, partindo de bases filosóficas e psicológicas, estabelece uma ligação íntima entre MÚSICA e SER HUMANO.

Ao longo da sua vida (1890-1978), e através de tudo aquilo que irradiou e divulgou, procurando atingir vários objectivos humanos e musicais, estabeleceu as bases vivas duma verdadeira educação destinada a harmonizar o ser humano por meio da música, assim como a favorecer o seu desabrochar.

Por natureza e pelas suas profundas virtualidades, a criança possui efectivamente todos os elementos físicos, afectivos e mentais necessários a qualquer prática musical e instrumental. Basta para tanto saber desenvolvê-los através de uma impregnação correcta e o mais precoce possível, assim como por uma participação psicológica e musical activa e inventiva.

É todo um programa que se cumpre na alegria das descobertas e das aquisições auditivas, vocais e rítmicas.

Inclui a educação auditiva, o desenvolvimento do sentido rítmico, o canto, os movimentos corporais, a leitura e a escrita e muita improvisação, permitindo a abertura à música de todos os tempos e de todas as culturas.

É conseguido de uma forma viva e dinâmica através de exercícios de concentração, atenção, memória, imaginação e criatividade, bases indispensáveis para uma verdadeira musicalidade.

E é ao desenvolvimento dessas faculdades que se atribui o valor educativo da MÚSICA, devendo qualquer criança, “dotada ou não para a música”, aprendê-la.

A Educação Musical é coordenada por Maria Salomé Leal, uma das primeiras discípulas portuguesas de Edgar Willems, professora na Escola “Ave-Maria” há 57 anos.

São quatro os graus de evolução do aluno, a qual se processa de forma progressivamente mais consciente e sintética.

1.ª FASE  -  INICIAÇÃO MUSICAL  1

CLASSES PEQUENINOS (3/4 anos); INFANTIL (4/5 anos); PREPARAÇÃO (5/6 anos)

- Apresentação e introdução dos fenómenos musicais.

- Desenvolver o sentido dos elementos pré-musicais e musicais duma forma viva e    …variada, adaptada à idade da criança.

- Despertar o interesse da criança pelo som, ritmo, movimento corporal e canção.

2.ª FASE  -  INICIÇÃO MUSICAL  2

CLASSES 1.º ANO (6/7 anos); 2.º ANO (7/8 anos)

- Introdução de associações entre o movimento pancromático do som e o grafismo.

- Exercícios de audição e exercícios rítmicos com progressivo grau de exigência – ..reprodução, invenção, batimento dos modos rítmicos, lateralidade, sons curtos e  ..longos, etc..

- Canções com movimento corporal.

3.ª FASE  -  ENTRADA NO PRÉ-SOLFEJO

(adaptação do método a uma Escola Não Vocacional)

CLASSES 3.º ANO (8/9 anos); 4.º ANO (9/10 anos)

-  Passagem do concreto ao abstracto, realizada de uma forma homogénea.

- Automatismo para os nomes das notas, para a qualidade da voz e da pronúncia.

- Improvisações rítmicas e melódicas de maior dificuldade.

- Participação na Missa das quartas-feiras.

(Aplicação de exercícios segundo o grau de desenvolvimento das crianças).

4.ª FASE  -  CONTINUAÇÃO DO SOLFEJO

CLASSES 5º ANO (10/11 anos); 6.º ANO (11/12 anos)

- Leituras rítmicas e melódicas, intervalos, acordes, escalas, canções.

- Participação do Coro em celebrações e outras festividades da Escola.

- Participação na Missa das quartas-feiras, Missa de Natal, Primeira Comunhão e    …..outras.

- Participação nas festas de Natal e encerramento do Ano lectivo.

A CANÇÃO

Uma referência especial para um dos elementos mais importantes da Educação Musical, a CANÇÃO.

Pelo seu valor global, pois contém, além do ritmo, da melodia e da harmonia, a própria palavra, formando muitas vezes uma história, a canção tem, na formação musical, um lugar de relevo.

Escolhem-se canções com diferentes objectivos, consideradas “Canções de Carácter Pedagógico”:

- canções mimadas;

- canções de intervalo;

- canções de movimento;

- canções com o nome das notas;

- canções para batimentos dos modos rítmicos;

- canções para marcação de compassos;

- canções par distinção do modo maior e menor;

- etc..

Pela sua própria estrutura, algumas dessas canções favorecem o domínio do ritmo, outras desenvolvem mais o ouvido musical e a sensibilidade.

Cantam-se também as Canções Populares que expressam as raízes musicais do nosso povo, através das suas melodias, do seu ritmo, da sua poesia e da própria dança.

Cantam-se ainda cânones e canções a duas vozes.

A voz deve merecer sempre um grande cuidado pois todos os conhecimentos de técnica vocal adquiridos serão de grande utilidade para a criança.

Repetem-se, pois, exercícios destinados à respiração, à posição correcta do corpo, à dicção, à afinação e à expressão.

Consideramos que uma boa interpretação não só irá contribuir para a beleza do canto, mas também para cultivar o sentido estético da criança.

A prática do cantar em “CORO” é mais uma das actividades colectivas em que a criança participa e onde aprende a integrar-se num trabalho de grupo, tão benéfico para o seu desenvolvimento pessoal e humano.